A utilização de tecnologias no âmbito das Energias Limpas, ou seja eficiência energética e energias renováveis tem crescido enormemente nas últimas décadas.
Tecnologias, consideradas no passado como exóticas, estão agora disponíveis no mercado, representando alternativas economicamente viáveis aos sistemas baseados na utilização de combustíveis fósseis com todos os problemas associados, nomeadamente no que concerne à emissão de gases com efeito de estufa.

Energia: não basta garantir a oferta. É preciso otimizar o consumo

O desenvolvimento sustentável está no centro das atenções do Século XXI. Deterioração da camada de ozono, aquecimento global e desastres ambientais são alguns dos temas que dominam os debates sobre o futuro do nosso planeta. No meio empresarial, um dos assuntos em destaque é a busca por novas fontes energéticas e a necessidade de redução do consumo de energias fósseis. Seja pelos efeitos nocivos ao meio ambiente, por questões econômicas ou pelas dúvidas com relação ao futuro da oferta, é neste contexto que o conceito de eficiência energética ganha cada vez mais importância.
Para entender, de facto, o que é eficiência energética e como ela pode contribuir para o desenvolvimento sustentável, o primeiro passo é conhecer a formação da matriz energética mundial. De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), o petróleo responde por mais de 35% de toda a energia utilizada no mundo, seguido pelo carvão mineral, com cerca de 25%. O gás natural, por sua vez, ocupa a terceira colocação, com cerca de 20%. Ou seja, as três principais fontes respondem por 80% de toda a energia utilizada no mundo.
O problema é que as três alternativas mais utilizadas são fontes minerais e não renováveis, ou seja, estão disponíveis em quantidade limitada na natureza. Além disso, são chamadas de energias sujas, uma vez que liberam uma série de gases de efeito estufa durante a combustão, principalmente o dióxido de carbono (CO2). Entre os combustíveis fósseis, o gás natural é o que apresenta combustão mais limpa, pois liberta apenas dióxido de carbono e uma quantidade de óxidos de azoto muito inferior à que resulta da combustão da gasolina, por exemplo. No entanto, mesmo assim, apresenta dificuldades de transporte e limitações de oferta.
Se não bastasse os efeitos e os problemas ambientais provocados pelas fontes de energia não-renováveis, há um grande dilema económico. Com o forte crescimento mundial, principalmente na última década, o actual modelo energético mostra-se insustentável no longo prazo. Para se ter uma idéia, pelas estimativas da AIE, a demanda por petróleo deve aumentar 37% até 2030. Em 2007, no Brasil, o aumento do consumo de energia foi de cerca de 5% entre os meses de janeiro a outubro ante o mesmo período de 2006. Trata-se de uma expansão recorde. E, ao que tudo indica, se mantivermos a tendência de crescimento econômico, estes percentuais devem subir ainda mais.
Como já dizia a velha lei da oferta e da procura, o resultado de uma demanda maior que a oferta é a alta dos preços. No início da década, a cotação do barril de petróleo estava em torno de US$ 20. Hoje, já superou a barreira dos US$ 135. Ou seja, para usar a mesma energia que há cerca de sete anos, as empresas estão desembolsando quase sete vezes mais.
É consenso entre especialistas que, para atender a crescente demanda, é necessário economizar energia e desenvolver as energias alternativas não emissoras de CO2. E o conceito de eficiência energética, que é a relação entre a produção e o consumo de energia, enquadra-se exatamente neste objetivo. Na prática, ser eficiente na área de energia significa buscar formas para optimizar e controlar o consumo.
Estudo da AIE publicado em 2004 mostrou que, naquela época, já possuíamos tecnologias que possibilitavam a redução de 16% das emissões de CO2. Por este mesmo estudo, 60% dessa redução seriam originados com a eficiência energética e 20% com o uso de energias renováveis.
Está na hora das empresas buscarem esta eficiência, seja com investimentos em pesquisa e desenvolvimento, em pessoal qualificado ou na contratação de empresas especializadas na otimização do consumo. A energia é um insumo básico para todos os sectores da economia e pequenas mudanças na forma de consumo podem reduzir gastos, além de contribuir para o desenvolvimento sustentável.

As últimas NOTÍCIAS sobre Energia Renovável